Uma causa primária do sofrimento






Uma causa primária do sofrimento é a ilusão: nossa falta de habilidade — devido a uma sutil cegueira voluntária — para enxergar as coisas do modo como realmente são. Ao invés disso, vemos de uma maneira distorcida. O mundo é, na verdade, uma unidade dinâmica sem um único remendo, um único organismo vivo que está passando por mudanças constantemente. Nossas mentes, contudo, repartem-no em pedaços e partículas estáticas e isoladas, às quais tentamos física e mentalmente manipular.

Uma das criações mais queridas da mente é a idéia da pessoa e, mais perto ainda, de uma pessoa muito especial que cada um de nós chama de “eu”: uma personalidade ou ego separado e persistente. Há o “eu”. E há todo o resto. Isso significa conflito e dor, já que o “eu” não pode controlar aquela insondável vastidão contra a qual ele se ajusta. Obviamente, ele tentará, como uma pulga que se joga contra um elefante. Mas é um empreendimento em vão.

John Snelling, em “Elements of Buddhism”.
Tricycle’s Daily Dharma, 22 de dezembro.


comentários