Buscar nossa verdadeira natureza






O Buda dizia que o desejo de atingir a felicidade duradoura e evitar a infelicidade é um sinal claro da presença da “mente natural”*. Na verdade, há muitos outros indicadores, mas listar todos provavelmente exigiria outro livro. Então, por que o Buda atribuiu tanta importância a esse aspecto em particular?

Porque a verdadeira natureza de todas as criaturas vivas já está completamente livre do sofrimento e inclui a felicidade perfeita: ao buscar a felicidade e evitar a infelicidade, independentemente de como fazemos isso, estamos só expressando a essência de quem somos.

O desejo que muitos de nós sentimos de uma felicidade duradoura é a “pequena e constante voz” da mente natural, lembrando-nos do que somos realmente capazes de vivenciar. O Buda ilustrou esse desejo por meio do exemplo de uma mãe pássaro que deixa o ninho. Apesar de conhecer lugares lindos e ver coisas novas e interessantes, alguma coisa a puxa de volta ao ninho.

Da mesma forma, apesar de a vida diária poder ser extremamente envolvente — apesar de ser incrível nos apaixonar temporariamente, receber elogios ou conseguir o emprego “perfeito” –, somos impelidos pelo desejo de um estado de felicidade completa e ininterrupta.

Em certo sentido, sentimos falta de nossa verdadeira natureza.

Yongey Mingyur Rinpoche, em “A Alegria de Viver”

* “mente natural” tem o mesmo significado de “Natureza da Mente” ou “Natureza Buda”. Leia mais em:

Ouro puro


comentários