Lidar com o tédio






A primeira característica de uma pessoa dármica, ou um praticante, é a impassibilidade, que é um tema interessante para ocidentais. Vocês tem todo tipo de possibilidades para organizar e criar ocupações: desde goma de mascar até viagens às Bahamas. Vocês estão sempre procurando maneiras de solucionar seu tédio, seu problema de tédio.

Em contraste a isso, impassibilidade significa vivenciar o tédio de maneira apropriada e completa. Você não preenche imediatamente o vazio com todo tipo de coisas. […] Na sociedade ocidental, quando surge qualquer pequena irritação, sempre há algo para curá-la. Eles até vendem pequenas almofadinhas para grudar nos óculos e evitar que escorreguem, assim permanecendo melhor no nariz.

Desde pequenas coisas como almofadinhas para óculos até as gigantescas, podendo-se pagar, a abordagem ocidental é curar qualquer tipo de tédio, realmente qualquer tipo de irritação.

Então, a passibilidade está relacionada com ser incapaz de lidar com o tédio, com a necessidade de alguma força amparadora. Já um praticante é alguém que pode se manter por si mesmo, que consegue lidar com o tédio.

Chogyam Trungpa (Tibete, 1939 – Canadá, 1987)
“Sete características de uma pessoa dármica”
em “The Collected Works of Chogyam Trungpa – Volume Two”
Ocean of Dharma Quotes of the Week


comentários