Quando a prática real começa






Charlotte Joko Beck (EUA, 1917 ~ 2011):

[…] Os primeiros anos são mais difíceis que os posteriores. O mais difícil é o primeiro sesshin [retiro], os meses mais difíceis para sentar estão no primeiro ano, o segundo é mais fácil, e assim vai.

Mais tarde, pode surgir outra crise, talvez após cinco ou dez anos sentando [meditação], quando começamos a entender que não vamos obter nada com isso — absolutamente nada. O sonho acabou — o sonho da glória pessoal que achamos que iremos obter com a prática. O ego está se apagando; este pode ser um período duro e difícil.

Ao ensinar, vejo as agendas pessoais das pessoas se quebrando. Isso acontece na primeira parte da jornada. É realmente maravilhoso, embora seja a parte difícil. A prática se torna não-romântica: não soa como aquilo que lemos nos livros.

Então a prática real começa: momento a momento, apenas encarando o momento. Nossas mentes não mais ficam esperneando tanto; ela não nos domina mais. Começa a renúncia genuína de nossas agendas pessoais, embora mesmo assim possa ser interrompida por todo tipo de episódios difíceis. O caminho nunca é direto e suave. Na verdade, quanto mais pedras, melhor. O ego precisa de pedras para desafiá-lo.

“Nothing Special”, loc. 1363


comentários